• Desenhow

Como manter as crianças seguras na internet

Atualizado: 19 de Set de 2020


Fonte: Canva

O blog Desenhow já abordou diversas vezes como a internet pode ser útil e até mesmo companheira das mães e pais na educação e diversão das crianças. Existe um grande número de sites de credibilidade com dicas de leituras, artes, brincadeiras, que, sem dúvida, podem enriquecer o dia a dia de toda a família. No entanto, precisamos ficar atentos aos riscos que a rede mundial também apresenta aos nossos filhos e filhas.

Acompanhar os filhos de perto é fundamental

Devido ao momento delicado que estamos atravessando por causa da pandemia, a exposição dos pequenos à internet está ainda maior, o que não chega a ser um problema, desde que os pais controlem o tempo e o conteúdo acessado. “As plataformas digitais se construíram a partir de um modelo de negócios em que tudo é pensado para que estejamos o máximo de tempo conectados”, alerta o mestre em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília Paulo Rená, em reportagem do portal Lunetas.

O portal Lunetas lembra que “a vulnerabilidade das crianças está diretamente relacionada à sua condição de pessoa em desenvolvimento, o que demanda cuidados especiais”. Paulo Rená complementa: “a família acaba tendo de assumir essa responsabilidade.”

Dicas para um ambiente virtual seguro


O portal Bebê.com.br, da Editora Abril, entrevistou a presidente da Childhood Brasil, Roberta Rivelino, para mapear algumas orientações de segurança sobre o acesso dos pequenos à internet. Nós reproduzimos algumas dessas dicas abaixo:

Cheque se os recursos de segurança estão ativados: o site Safernet Brasil indica a priorização de aplicativos desenvolvidos especialmente para as crianças, como o YouTube Kids, Messenger Kids para enviar mensagens ou fazer ligações, e o Family Kids, aplicativo do Google para estabelecer regras digitais para que o uso virtual seja saudável;


Fique atento à forma como a criança usa as telas: é importante ficar de olho para ver se a criança não está querendo usar escondida o tablet, celular ou computador. A tela deve estar sempre disponível para que os pais acompanhem o conteúdo a qualquer momento;


Converse abertamente com a criança sobre internet: use a linguagem adequada à idade do pequeno, mas não deixe de explicar que os perigos do mundo real também estão no mundo virtual e que, por isso, não deve esconder nada dos pais, para que possa ficar protegido;


Busque ajuda em material de apoio: o portal Bebê.com.br indica a série “Que corpo é Esse?”, lançada pelo Canal Futura, como um conteúdo que pode ajudar a criança a conhecer o próprio corpo, além de entender a importância da autoproteção e do respeito à sexualidade. A reportagem sugere também o livro Não me toca, seu boboca, de Andrea Viviana Taubman;


Mantenha as câmeras tampadas sempre que possível: o último alerta feito por Roberta Rivelino, presidente da Childhood Brasil, é para que os pais coloquem um adesivo ou outro tipo de proteção nas câmeras, pois é conhecida a capacidade de captação de imagens por meio dos dispositivos, quando são invadidos.

São alertas muito importantes, pois um estudo feito pela organização britânica Internet Matters com 1.500 famílias aponta que 48% das crianças com idade média de 6 anos usam a internet todos os dias. E mais: 41% delas acessam os dispositivos sem supervisão dos pais.

Referências:

https://lunetas.com.br/a-internet-e-um-lugar-seguro-para-as-criancas/


https://bebe.abril.com.br/desenvolvimento-infantil/o-que-e-preciso-fazer-para-que-a-internet-seja-segura-para-as-criancas/


https://revistacrescer.globo.com/Curiosidades/noticia/2017/02/41-das-criancas-de-6-anos-acessam-internet-sem-supervisao-de-adultos.html

#desenhow #blogdesenhow #desenhodecrianca #criancasseguras #comomantercriancassegurasinternet